sábado, 20 de abril de 2019

sábado, 10 de novembro de 2018

Estados d'Alma

Quando acordo triste
porque sim
e, ao progredir em mim,
me sinto ausente,
é que me dou conta, de repente,
que de tudo quanto ri
se ri por fim.
e assim,
num laivo de razão,
que subsiste,
pensar que regredi
é uma aflição
e fico triste.

Náo sei
o que em mim resiste
não sei
que brisa me leva
mais um dia
uma hora
nem estou triste
e o peito chora.
não sei
se andam os pés
se dão passos
sem razão
meu caminho
não tem vez
parece livre
e é prisão
não sei
se durmo se sonho
quando a vida
me constrói
a alma ri-se
e eu componho
uma alegria
que dói.

sfich e M Conceição RoqueSilveira

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

saídas airosas

O êxtase numa interlocução desagradável,
quando um tolo a torna confusa,
consiste em parecer um tolo miserável,
se o tolo orgulhoso se recusa.

------------------------//--------------------

«Caer en un charco inmundo y salir oliendo a rosas»

El éxtasis, en una interlocución desagradable,
cuando un necio la hace confusa,
consiste en parecer un necio miserable,
si el orgulloso necio se rehúsa.

domingo, 29 de abril de 2018

quinta-feira, 8 de março de 2018

terça-feira, 21 de novembro de 2017

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Nau de Pedra

Se em Trás-Os-Montes eu fosse rio
para ser vale e planalto e tudo à uma,
seria flor de amendoeira e vento frio
e geada à soalheira e neve e bruma...
Se ao menos eu fosse pedra dura
e flor de videira em viço perfumada...
Seria sol a pino, em noite escura,
candura de bonina e alvorada!...

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

terça-feira, 7 de novembro de 2017

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Chuva de Pétalas

                         
                       
                                            (Di)

                         As pétalas que caem no teu véu,
                         Dançando à tua volta, em ritual,
                         São versos de um poema adagial;
                         Promessa de Amor, escrita no Céu.

                         Cortejando sorrisos aos teus lábios
                         Essa chuva de cores, em luz bendita,
                         É rosa às nossas mãos que, repartida,
                         Não diz dos seus perfumes, porém sabe-os.

                         Cabe-nos a cumplicidade do momento
                         E a ti, todo o empenho de quem o vive.
                         É sabido: não te falta sentimento,

                         Nem o sensato critério, porque és livre.
                         Que és feliz, é nosso entendimento...
                         E não sabemos que coisa mais cative.


                              T.T/sfich

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Chuva de Afectos








As palavras que (me)ditas são enlevo
Dos sentidos, carregadas de emoção;
Muito além das que sinto quando escrevo
Se não me falta o sentido da razão

Sentido que se sente renascer
Quando vive uma palavra em poesia,
E se solta de alegria e de prazer
A lágrima que se verte em nostalgia

Este é o sentido que nos acontece:
Templo dum gesto que não se previa...
O verbo esperado é o que aparece

Como a natureza; mesmo agreste e fria...
À mercê da estrela que nunca acontece!
É a chuva de afectos é o sol d'alegria!...


Teresa Almeida Subtil/sfich






quarta-feira, 29 de março de 2017

terça-feira, 14 de março de 2017

terça-feira, 7 de março de 2017

FINGUIM ROOF

FINGUIM ROOF
VISEU